Nutrição para a Saúde Sexual e Antienvelhecimento

Desenvolver hábitos saudáveis de forma a retardar o envelhecimento, manter a saúde e apreciar um bom desempenho sexual.

Podemos afirmar que todos os fatores que desregulam ou danificam as estruturas orgânicas do corpo humano têm uma ação crucial na saúde. É do conhecimento geral que o stress, os alimentos processados, o tabaco, a poluição atmosférica, um débil repouso noturno e a escassa atividade física, entre outros fatores, prejudicam o estado de saúde e a qualidade de vida. Consequentemente, as disfunções orgânicas e os sinais de envelhecimento começam a manifestar-se cada vez mais cedo.

No entanto, as circunstâncias da vida moderna nem sempre nos permitem refletir acerca destas verdades fundamentais para a manutenção da saúde. Se “somos o que comemos” não podemos esquecer que a alimentação influencia diretamente o nosso estado de saúde, inclusive da saúde sexual! Conformarmo-nos com uma saúde sexual insatisfatória ou medíocre pode trazer consequências a curto ou a longo prazo.

O que influencia o nosso estado de saúde sexual?

Todos os fatores acima referidos. Contudo, é necessário perceber que a intoxicação através desses fatores, provenientes de fontes internas e externas, percetíveis e impercetíveis, conscientes e inconscientes, altera, desregula e transmuta os tecidos e o metabolismo do organismo. Consequentemente, surgem patologias que influenciam direta ou indiretamente a função sexual masculina e feminina, nomeadamente:

  • Diabetes Mellitus;
  • Hipercolesterolemia;
  • Excesso de peso/obesidade;
  • Neuropatias;
  • Colonopatias (obstipação, pólipos intestinais, défice na absorção intestinal, etc.).

Sabe-se, por exemplo, que a patologia Diabetes Mellitus prejudica a líbido sexual, a ereção, a lubrificação vaginal e o orgasmo. Mesmo que não se manifeste um claro diagnóstico de Diabetes, situações hiperinsulínicas e valores de glicémia elevados causam neuropatias, danos nervosos e danos nos vasos sanguíneos. Estes danos afetam diretamente a função sexual cognitiva e física.

Da mesma forma, o excesso de açúcar pode predispor o sexo feminino a infeções fúngicas vaginais crónicas, infeções do trato urinário ou inflamações vaginais. Infeções fúngicas frequentes podem resultar em irritação vaginal persistente e dolorosa.

Associado ao consumo de açúcares, o stress pode diminuir significativamente a líbido. Estima-se que cerca de 16% dos homens sejam afetados pela perda do desejo sexual, sendo que, pelo menos, o dobro das mulheres apresenta este sintoma. Também a ingestão de fármacos constitui um importante fator de diminuição da líbido, pois impõe ao organismo, especialmente ao fígado, a neutralização dos seus efeitos secundários. Entre os fármacos com maior influência neste fenómeno contam-se antidepressivos, anticontracetivos, anti-hipertensores, antibióticos, tranquilizantes e anticonvulsivantes, pois ocupam uma parcela substancial das funções nervosa, sanguínea e arterial, essenciais à função sexual.

Os efeitos prejudiciais do tabagismo e do consumo de álcool afetam o órgão sexual masculino da mesma forma que prejudicam o coração e o organismo a nível geral, comprometendo o fluxo ou obstrução sanguíneos. Na verdade, podem mesmo causar enfartes do miocárdio e perda de ereção. Além disso, estas substâncias geram ciclos de consumo, compensação e dependência no organismo que comprometem significativamente as funções orgânicas e a qualidade de vida.

Por vezes, a presença de disfuncionalidades pode estar associada a processos de envelhecimento celular, pelo que é importante a implementação de um estilo de vida potenciador do rejuvenescimento/Antiaging, com vista a manter os vários sistemas aptos e enérgicos.

O objetivo não visa meramente evitar patologias graves, mas, essencialmente, promover um espírito e aparência jovens e enérgicos. Uma alimentação e estilo de vida saudáveis e adequados, retardam o aparecimento de sinais e sintomas do envelhecimento, inclusive os sinais cutâneos. A deterioração dos vários tecidos (cutâneo, cerebral ou de outros órgãos), verifica-se pela confluência de dois fatores essenciais:

  • Intrínsecos (redução dos telómeros responsáveis pela replicação do DNA, diminuição do sistema de reparação celular, aumento da exposição celular aos radicais livres resultantes do metabolismo);
  • Extrínsecos (alimentação nutricionalmente pobre, e rica em compostos tóxicos e/ou pró-oxidantes, baixos níveis de hidratação, presença de patologias inflamatórias, poluição ambiental).

Com base nestes fatores, torna-se necessário potenciar o equilíbrio geral do organismo de forma a proporcionar as condições ambientais ótimas às células. Por esta via, retarda-se o relógio biológico do envelhecimento, mantendo a sensação de Poder sobre nós próprios.

Referências bibliográficas:
Fuhrman, J. (2013) Eat to live. 2ª Edição. Publicações Lua de Papel

Fernández, O. (2014) Guia Completo Anticancro. 1ª Edição. Publicações Marcador

Mahan, K., Escott-Stump, S. (2007) Krause’s Food & Nutrition Therapy. 12th edition. Hardcover publications

Servan-Schreiber, D. (2012) Anticancro – A nova maneira de viver. 6ª Edição. Publicações Lua de Papel

Especialidades

Nutrição

Nutrigenómica
Nutrição para a Saúde Sexual e Antienvelhecimento
Nutrição, Emagrecimento e Desporto
Nutrição na Prevenção do Cancro

Fale Connosco!

Marque uma consulta ou esclareça as suas dúvidas.

Abrir chat
Olá,
em que podemos ajudar?