218 052 092

Optimização da Testosterona

  • Optimização da Testosterona

    Níveis hormonais óptimos são sinónimo de uma saúde óptima.

    Existem hoje tratamentos médicos seguros, eficazes e fiáveis visando a protecção da saúde humana à medida que envelhecemos.

    Para alcançar esse objectivo, a Medicina Preventiva afigura-se um instrumento essencial. Fá-lo através da optimização autóloga* da produção hormonal pelo nosso organismo com Terapia Laser de baixa intensidade e/ou Terapia Hormonal de Substituição (ou de compensação).

    Este processo envolve a restauração de níveis hormonais mais jovens. Fá-lo de três formas em simultâneo:

    a) acompanhamento médico rigoroso

    b) dieta alimentar adequada

    c) exercício físico adequado

    Ao falar em TESTOSTERONA (hormona sexual masculina), ocorrem-nos imediatamente algumas perguntas: Quais são os valores normais de testosterona no homem? E quais são os valores óptimos?

    Relativamente à Testosterona Total, os valores de referência normais identificados com maior regularidade oscilam entre 300 e 1200, mas a resposta não é tão simples. Na verdade, esses valores diferem de pessoa para pessoa, bem como os parâmetros definidos entre os prestadores de cuidados de saúde.

    O hipogonadismo, ou insuficiência androgénica, afecta mais de 60% dos homens acima dos 65 anos. Estes indivíduos apresentam baixos valores de testosterona livre, mas apesar disso o hipogonadismo é sub-diagnosticado, traduzindo-se num rápido declínio da saúde dos mais velhos.

     Níveis de testosterona

    Afigura-se essencial estabelecer a diferença entre um nível de testosterona normal e um nível óptimo. Para uma mesma idade, os níveis óptimo e normal não coincidem. Neste sentido, a literatura médica incentiva a reposição dos níveis da hormona sexual masculina equivalentes aos verificados nos homens entre os 20 e os 30 anos, permitindo que os pacientes recuperem níveis óptimos de saúde e bem-estar.

    A dificuldade reside em definir um nível normal e um nível óptimo de testosterona. De facto, o que é normal para um homem de 70 anos não o é para um de 20. Se um homem de 20 anos possuir o nível hormona de um com 70 obviamente não se sente bem, mas se um homem de 70 anos tiver o nível de testosterona esperado nessa idade tal facto é considerado normal. Porém, segundo a nossa literatura médica de apoio, nenhum indivíduo deveria possuir níveis hormonais de um homem de 70 anos.

    O objectivo é optimizar os níveis de testosterona no homem de 70 anos para aqueles que veríamos num indivíduo de 20. Um nível de Testosterona Livre de 25 pode ser interpretado como normal, embora na realidade seja muito baixo. Por outro lado, um nível de 40 seria considerado excessivamente alto quando na realidade é perfeito, constituindo mesmo o nosso objectivo para uma pessoa mais jovem. Todos os estudos médicos envolvem doses hormonais que resultam em níveis hormonais no limite superior da escala fisiológica. Estes são os níveis detectados nos adultos jovens saudáveis.

    Níveis hormonais óptimos permitem usufruir de uma saúde óptima. Com efeito, bons níveis de testosterona diminuem a probabilidade de ocorrência de incidentes cardíacos e AVC´s, bem como o desenvolvimento de patologias como a Doença de Alzheimer, diabetes e hipertensão arterial.

    Além disso, segundo estudos efectuados, a hormona sexual masculina apresenta outros benefícios:

    • Protege contra as doenças cardiovasculares, diminuindo a incidência de ataques cardíacos devido ao seu efeito nos vasos sanguíneos;
    • Melhora o colesterol bom, reduzindo o colesterol mau;
    • Melhora as boas lipoproteínas, baixando a incidência das más.

    Quanto mais elevado for o nível de testosterona melhor o homem se sente, mais a vida se prolonga e menor é o risco de doença cardiovascular.

    Posto isto, colocamos-lhe uma questão simples: em que valor gostaria de ter os seus níveis de Testosterona?

     Sinais e sintomas de testosterona baixa

    São diversos os sintomas e patologias indicadores de baixos níveis de testosterona:

    • Depressão
    • Baixa líbido (apetite sexual reduzido)
    • Fadiga
    • Doenças cardíacas
    • Demência
    • AVC
    • Osteoporose
    • Cancro da próstata
    • Obesidade abdominal
    • Diabetes tipo 2

    Restaurar os níveis óptimos de Testosterona pode retardar ou travar o risco de contrair estas patologias. Além disso, melhora a densidade mineral óssea, a função renal, a força muscular, a massa muscular e o humor. Em suma, a qualidade de vida é globalmente melhorada.

     

    Complementação com testosterona

    Se pondera fazer complementação com Testosterona, um médico experiente em tratamentos hormonais de compensação (modulação hormonal) poderá auxiliá-lo a repor os níveis óptimos da hormona, bem como a reduzir ou eliminar sintomas e a melhorar a sua qualidade de vida sem causar efeitos secundários significativos.

    * Optimização hormonal que resulta da autoprodução.